<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d36969303\x26blogName\x3dH%C3%A1bitos+Breves\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://habitos-breves.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://habitos-breves.blogspot.com/\x26vt\x3d8533411984308644055', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

que se retirem todas as mãos dos deploráveis bolsos

Que se retirem todas as mãos dos deploráveis bolsos, faça-se com que todas as televisões e computadores impludam numa visão eternamente memorável e reconfortante, que se erga a maior revolução de sempre contra o abismo provocado pelo maldito tédio! Sorrisos deste mundo, abram-se diante a chuva de especiarias nunca antes por nós experimentadas, a torrente de orgasmos mais arrebatadores de sempre e toda a abundância de cores que daqui em diante se vai abrir perante todas as almas enfadadas deste mundo e de todos os demais que existirem à nossa volta, ocultados pela nossa complacência para com a falta de criatividade! Sintam a energia que a felicidade dos outros transmite, juntem-se a eles, cantem, destruam as vossas gargantas com eles e por eles! Ouçam os acordes dados pelo extraordinariamente desafinado mas sublime piano deste eminente motim, aspirem bem fundo a essência deste perfume com que todos os homens e mulheres se cobriram para o dia que agora nasceu, que se corra pelas ruas, se calque todas as folhas que o Outono fez cair e toda a merda que os animais dos donos de todos os cães do planeta decidiram não retirar do passeio e, mais importante que tudo, que se siga o seu exemplo e se quebre todas as regras cujo virtuoso bom senso contemporâneo permitir. Não possibilitem que nenhum ser reste sem o amor de outro ainda mais belo que ele, façam caso que sejam lidos todos os livros da terra no mais curto espaço de tempo possível, explorem tudo o que julgam conhecer o mais profundamente possível, suem, por favor, suem e sintam todo o vosso corpo a ceder à ininterrupta cadência da revolta. Elevem-se o mais que puderem e admirem bem o mundo que desde sempre esteve aqui para vos regozijar e em vez alguma ter pedido fortuna em troca. Conciliem-se com tudo o que vos atormenta e, se necessário, ergam as vossas almofadas, mais alto, o mais alto que vos for possível, lutem com elas, alimentem o mundo com o vosso próprio corpo se essa for a única solução, façam todos os outros à vossa volta chorar compulsivamente de tanta alegria presa num corpo tão pequeno e por fim morram. Desapareçam, para aí se permitirem por fim a dizer

Não foi em vão.

"Mas a operação de escrever implica a de ler como seu correlativo dialético, e estes dois actos conexos precisam de dois agentes distintos. É o esforço conjugado do autor e do leitor que fará surgir o objecto concreto e imaginário que é a obra do espírito."

Adicionar comentário | Página principal

Hábitos Breves

"Gosto dos hábitos que não duram; são de um valor inapreciável se quisermos aprender a conhecer muitas coisas, muitos estados, sondar toda a suavidade, aprofundar a amargura. Tenho uma natureza que é feita de breves hábitos, mesmo nas necessidades de saúde física, e, de uma maneira geral, tão longe quanto posso ver nela, de alto a baixo dos seus apetites. Imagino sempre comigo que esta ou aquela coisa se vai satisfazer duradouramente - porque o próprio hábito breve acredita na eternidade, nesta fé da paixão; imagino que sou invejável por ter descoberto tal objecto: devoro-o de manhã à noite, e ele espalha em mim uma satisfação, cujas delícias me penetram até à medula dos ossos, não posso desejar mais nada sem comparar, desprezar ou odiar. E depois um belo dia, aí está: o hábito acabou o seu tempo; o objecto querido deixa-me então, não sob o efeito do meu fastio, mas em paz, saciado de mim e eu dele, como se ambos nos devêssemos gratidão e estendemo-nos a mão para nos despedirmos. E já um novo me aguarda, mas aguarda no limiar da minha porta com a minha fé - a indestrutível louca... e sábia! - em que este novo objecto será o bom, o verdadeiro, o último... Assim acontece com tudo, alimentos, pensamentos, pessoas, cidades, poemas, músicas, doutrinas, ordens do dia, maneiras de viver." Friedrich Nietzsche, in 'A Gaia Ciência'