<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d36969303\x26blogName\x3dH%C3%A1bitos+Breves\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://habitos-breves.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://habitos-breves.blogspot.com/\x26vt\x3d8533411984308644055', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

ego

Fanatismos incondicionais à parte, o nosso ego em tudo se assemelha a um singular animal carente de aceitação e conforto, esperando pacientemente pelos nutrientes que o seu dono lhe fornece diariamente ao longo de toda a sua duradoura vida. Aquando da falta do bolo alimentar necessário para se manter, o ego aventura-se a enfrentar um temeroso esgotamento que pode mesmo levar o seu portador a uma quebra incontornável do seu brio e fulgor habitual. Um indivíduo não precisa de despender muito do seu tempo a analisar um grupo de pessoas para entender que todo o jogo de palavras que entre elas decorre se resume a uma luta de egos, ciosos de sobressair mais do que os outros animais, impacientes por devorar cada pensamento mais ou menos elaborado que os seus proprietários souberam conjugar. Na grande maioria das partes fazemo-lo de forma involuntária, comparando pensamentos ou formas de agir nas mais diversas situações, mas são também muitas as vezes em que se torna descarado o modo como outrem tenta imprimir no nosso raciocínio as suas certezas absolutas e absolutamente disparatadas. Cair em jogos de egos é um dos maiores erros em que a pessoa pode capitular, sob pena de entrar numa luta da qual não quer fazer parte e na qual, uma vez dentro, não poderá sair sem entrar em extremismos inadvertidos e que em nada se assemelham às reais aspirações individuais.

Gosto de egos pouco insuflados, senhores do seu devido e merecido orgulho mas que sabem quando é tempo de parar. Por outro lado, abomino egos, como o meu, que por vezes não conseguem controlar a verborreia automaticamente debitada que libertam em pleno debate de ideias e que, em geral, transportam quem nos ouve até uma refulgente estupefacção seguida por um imenso descrédito por tudo aquilo que queremos realmente afirmar. Cada vez mais se diz muito sem pouco dialogar, o que leva a um inevitável afastamento das pessoas e a uma precariedade no juízo que das nossas ideias e posições se retiram. É uma pena. A culpa, acho, é da necessidade de termos um ego maior do que aquele que realmente nos assenta às medidas.

"Mas a operação de escrever implica a de ler como seu correlativo dialético, e estes dois actos conexos precisam de dois agentes distintos. É o esforço conjugado do autor e do leitor que fará surgir o objecto concreto e imaginário que é a obra do espírito."

Adicionar comentário | Página principal

Hábitos Breves

"Gosto dos hábitos que não duram; são de um valor inapreciável se quisermos aprender a conhecer muitas coisas, muitos estados, sondar toda a suavidade, aprofundar a amargura. Tenho uma natureza que é feita de breves hábitos, mesmo nas necessidades de saúde física, e, de uma maneira geral, tão longe quanto posso ver nela, de alto a baixo dos seus apetites. Imagino sempre comigo que esta ou aquela coisa se vai satisfazer duradouramente - porque o próprio hábito breve acredita na eternidade, nesta fé da paixão; imagino que sou invejável por ter descoberto tal objecto: devoro-o de manhã à noite, e ele espalha em mim uma satisfação, cujas delícias me penetram até à medula dos ossos, não posso desejar mais nada sem comparar, desprezar ou odiar. E depois um belo dia, aí está: o hábito acabou o seu tempo; o objecto querido deixa-me então, não sob o efeito do meu fastio, mas em paz, saciado de mim e eu dele, como se ambos nos devêssemos gratidão e estendemo-nos a mão para nos despedirmos. E já um novo me aguarda, mas aguarda no limiar da minha porta com a minha fé - a indestrutível louca... e sábia! - em que este novo objecto será o bom, o verdadeiro, o último... Assim acontece com tudo, alimentos, pensamentos, pessoas, cidades, poemas, músicas, doutrinas, ordens do dia, maneiras de viver." Friedrich Nietzsche, in 'A Gaia Ciência'